Querem que eu desenhe?

Expressão, que visa a melhor compreensão...
De teimosos orgulhosos, e, preconceituosos!

Recalcitrantes mentes não querem ver com
Lucidez a voz da razão no raciocínio...

Não querem dar o braço a torcer!
Para ver a verdade nua, e, crua...

Como uma grua no sobe, e, desce,
Mentes, que padecem, e, não entendem!

À luz da cultura a nova estrutura,
Que, se inicia sem usuras!

Castas “emburrecidas”... Adormecidas
Pela Teologia da Idolatria!

Escondidas entre um par de cabrestos,
Só enxergam com olhos canhestros!

Admito que possam estar lendo estas
Linhas, mas precisam, que, eu desenhe!

Tais mentes obtusas, e, sobretudo,
Ignorantes na interpretação de textos!

Em tosco português são talvez,
Da burrice, ignóbil freguês!

Se, você que agora, esta poesia lê,
Estiver carente de entendê-la,

Quer que eu desenhe?
Então, veja, e se empenhe!

Jose Alfredo

Exibições: 16

Comentar

Você precisa ser um membro de Casa da Poesia* para adicionar comentários!

Entrar em Casa da Poesia*

Comentário de Jose Alfredo Evangelista em 21 julho 2020 às 15:43

Neste poema retrato não apenas as maneiras canhestras de pensar ideologias espúrias e nocivas à nossa Nação Brasil, mas, também, à marginalidade cultural e educacional da maioria da juventude que, não sabe interpretar um texto e, nem tampouco, domina com sabedoria a língua pátria (O português)!Daí a razão dessa expressão que veio para ficar: "QUER QUE EU DESENHE"??????

Editora Casa da Poesia

Chegou o

Volume 12 da Antologia 

Volume 9 da Antologia

Volume 8 da Antologia

 Volume 7 

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

ALB/SP

</

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

© 2020   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço