Vesti o engano de uma tarde de verão.
Com o frescor de uma manhã de primavera,
Realcei as ilusões.
Lentamente despertei,
Perdida num emaranhado de inverdades.
Me recolhi, noites frias de inverno.
Sem mais ilusões,
Vivo cada dia como se fosso o último.
Sem arroubos, sem festim
Com solidez e resguardo
Cultivo a resistência,
Flor espinhosa,
Preservada de outros enganos
De outras tardes de verão.

Zezinha Lins

Exibições: 114

Comentar

Você precisa ser um membro de Casa da Poesia* para adicionar comentários!

Comentário de Lucicleide Alves em 6 maio 2018 às 20:59
Linda
Comentário de maria jose zanini tauil em 26 abril 2018 às 21:43

Gostei de "a resistência é flor espinhos". Flor por ser virtude, mas exige a força que nem sempre temos. Belo!
Beijinhosssssssssssss

Editora Casa da Poesia

Chegou o

Volume 12 da Antologia 

Volume 9 da Antologia

Volume 8 da Antologia

 Volume 7 

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

ALB/SP

</

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

© 2021   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço