.
Sou mulher rendeira
Não dou ponto sem nó
Teço cada ponto e teia
Com um pensamento só

Teço cada fio e teia
Com o mesmo objetivo
Cada ato, cada passo
Sem nunca perder o sentido

Quero construir  renda
com translúcida pedraria
para que minha alma aprenda
paciência, calma e harmonia.

Meu bordado incompreensivel,
Somente eu sei a razão
E quem olhar com pureza
Pode ver meu coração.

Valéria Brasil Calegari

Exibições: 22

Comentar

Você precisa ser um membro de Casa da Poesia* para adicionar comentários!

Comentário de Ingrid Caldas em 14 maio 2020 às 10:10

Eita que renda bonita! Beijinho.

Editora Casa da Poesia

Chegou o

Volume 12 da Antologia 

Volume 9 da Antologia

Volume 8 da Antologia

 Volume 7 

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

ALB/SP

</

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Aniversários

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

© 2020   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço