Sou negro!
- Soneto.

Dividindo as minhas angustias e aflições comigo e minhas predições
Às vezes sinto desmoronar todos os sonhos previsto na tabua da lei
Que o onipotente, criou para as longas caminhadas dos meus dias.
Não imploro! Apenas aceito as dádivas de deus que me acompanha.

Meus olhos gotejam lagrimas que se fundem ao lhano desenhado.
Na sublime esperança que um dia essa separação seja dissipada
Das mentes e das reduzidas ao nada, nascendo uma outra concepção
Que por certo arrefeceram atritos entre seres humanos sensíveis.

Sou um negro! Que em alguns momentos divido meus percalços.
Com o intuito de celebrar entre a cor e o espaço, a igualdade
Que deve existir entre as tênues peles. E apaziguar as diferenças.

Assim meus passos continuam a marcar a terra na prolifera ação
De um bem-estar entre todos, sem rancores e sem as diferenças.
Conforme o arbitra a tabua da norma cunhada pelo criador do orbe.

Enviado por José Lopes Cabral em 21/03/2020
Código do texto: T6893025
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Exibições: 2

Comentar

Você precisa ser um membro de Casa da Poesia* para adicionar comentários!

Entrar em Casa da Poesia*

Editora Casa da Poesia

Chegou o

Volume 9 da Antologia 

Volume 8 da Antologia

 Volume 7 

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Aniversários

Aniversários de Hoje

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

© 2020   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço