quo vadis nobre infante?


Aonde vais me levar oh caminho ?
Que, estranha direção me levas?
Suas intenções são luzes ou trevas?

Não ando sem minha bússola!
Ao Norte ela sempre me aponta!
Eu e ela somos uma força uníssona!

“Quo Vadis” trilha minada?
Vejo, que está armadilhada!
Por pouco não caio na emboscada!

Sei que, estou em combate...
Minha têmpera não se abate!
Minha coragem vai ao embate!

Pelas tuas sendas ando a cavaleiro
Quando emboscado tenho sinaleiro
Na infantaria sou um fuzileiro!

Sou forjado a andar entre minas
Uma a uma vou vencendo-as
Protejo-me nas colinas!

Para onde vais? Inóspito caminho?
Pressinto à frente inimigos no ninho!
No cadinho da infantaria a gritaria:

Rajadas cortam os ares com muitos pesares!
O cheiro da pólvora nas entranhas
Sinto o cheiro de morte sem Norte!

De surpresa sou acertado mortalmente!
A visão escurece e a vida vai lentamente!
Estampidos já não são mais ouvidos!

A visão embaçada começa a escurecer
A escuridão me leva a esmorecer
Fim da trilha: ”Aonde vais me levar”?

Oh insana morte sem Norte!
Não tive sorte nem aporte da vida
Que à morte me convida!

Caminho sem volta
Numa reviravolta
Morro com uma grande revolta!



Jose Alfredo – Um infante combatente.

Exibições: 4

Comentar

Você precisa ser um membro de Casa da Poesia* para adicionar comentários!

Entrar em Casa da Poesia*

Editora Casa da Poesia

Chegou o

Volume 12 da Antologia 

Volume 9 da Antologia

Volume 8 da Antologia

 Volume 7 

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Vídeos

  • Adicionar vídeo
  • Exibir todos

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

© 2020   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço