Porque vieste até mim,
Sem data ou hora marcada,
Confessando o inconfessável.

Recebi (talvez) pequenas migalhas,
Daquelas que alimentam pássaros perdidos,
Jogadas no calçamento das praças.

Esfolei o sobrar da minha alma,
Retirando não sei exatamente o que,
Em tamanha grandiosidade,
Que o meu tempo tornou-se sem graça.

Porque vieste meio que do nada,
Sem ter algo para trazer-me,
E levaste tudo, da minha razão a perder-te.

Porque construíste entre meus dedos,
Poesia declaratória,
Versos de aconchego e luas de apreço.

Minha sagração de incertezas,
Provindo duma natureza viva e pulsante,
Condenou toda essa irrefutável história,
Entre o ficar deliberado e o desastroso deixar culminante.

Álibi do esquecimento,
O legado que em ti existe,
Que agora partilho entre o pranto daquilo que não sei,
E a volatilidade do nada reter,
Dor que por sobre meus ombros, outrora carreguei.

Angela Lazzari

(Aos trinta dias do mês de Janeiro de 2019).

Exibições: 61

Comentar

Você precisa ser um membro de Casa da Poesia* para adicionar comentários!

Entrar em Casa da Poesia*

Editora Casa da Poesia

Chegou o

Volume 9 da Antologia 

Volume 8 da Antologia

 Volume 7 

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Aniversários

Aniversários de Hoje

Aniversários de Amanhã

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

© 2019   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo