Deixarei para ti, em meu relicário,

O som orvalhado das minhas memórias.

Gravarei como oferenda o tempo dos risos,

O vinho não tomado,

Minha imagem, espelhada entre dois.

Viverei cada segundo registrado num único retrato,

Aquele, com a marca acentuada do teu beijo.

Deixarei nas palavras todos os versos que não rimei,

As horas perdidas, em que não te amei.

Farei das tuas, as minhas melhores lembranças.

Celebrarei todas as mínimas relíquias,

Embrulhadas como balas de coco, em fino papel de seda.

Serei a herança do pão com manteiga que tanto gostas,

O abrir de janelas amarelas,

As flores azuis... da cor dos teus chinelos...

Mas prometo-te, em testamento lavrado,

Que não morrerei.

...Não...

...Não até que me sirvas, ao menos, mais uma xícara de café....

Angela Lazzari

(Aos oito dias do mês de Fevereiro de 2019).

Exibições: 40

Comentar

Você precisa ser um membro de Casa da Poesia* para adicionar comentários!

Entrar em Casa da Poesia*

Editora Casa da Poesia

Chegou o

Volume 9 da Antologia 

Volume 8 da Antologia

 Volume 7 

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Aniversários

Não há aniversários hoje

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

© 2019   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço