Desestruturação  da   Poesia

Poesia
não 
enche
              barriga

ela entra pelas
narinas
passa pelos
                 olhos,
                .              laringe
                 faringe
coloca
no estômago
                           borboletas

Mas não enche barriga
Nem rima com lombriga

Poesia
não precisa de rimas
nem de esgrimas,
só de coração

Mas quando
começa escrever
sei lá  o que pensa
Pensa ?
Sei la o quê...

Ela também
penetra nos ossos
provocando poesipenia

e o ser vacila
em passos perdidos
procurando estilos e sentidos
inspiração  para escrever

qualquer  coisa
que lhe salte aos olhos
a gota d'agua
que pia na pia
o miado do gato
que mia
o samba no pé  da guria
tudo da poesipenia. ..

Poesipenia
é  poesia nos ossos
não  há  pó  de ostra
que te livre dela

Só passando sebo nas canelas
que a dita escorrega 
e te da um rodo.
Tudo isso é engodo.

Valéria  Brasil Calegari

Exibições: 18

Comentar

Você precisa ser um membro de Casa da Poesia* para adicionar comentários!

Entrar em Casa da Poesia*

Comentário de Coluna da Jô em 8 maio 2020 às 13:30

Muito bom! Adorei o poesipenia!
Não sei se é intencional, se for, desculpe-me a observação. Se você não der título à sua publicação, o texto publicado também vai para lá. Grande abraço!

Editora Casa da Poesia

Chegou o

Volume 12 da Antologia 

Volume 9 da Antologia

Volume 8 da Antologia

 Volume 7 

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Aniversários

Não há aniversários hoje

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

© 2020   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço