Nada mais quero que a singeleza do teu abraço,
Neste meu corpo nu e santo que a ti faz-me devota.


Tua verve poética enaltece os meus lábios molhados,
E teu jeito imperdoável me transfigura as vestes,
Que se rasgam e se abrem às tuas confissões.

Fica subtendido entre as tuas palavras e o meu silêncio,
Todos os desejos incontestáveis,
Que há tempos distanciaram-se de nós.

O poema, então, é cantado a cada vontade,
A cada olhar nosso, que deságua até o momento final.

Torno-me confessa em minhas divagações,
Ao cerrar a porta desse local único:
Nosso momento esperado.

E quando vais, sem olhares para trás,
Sem sequer dizer “até qualquer dia”,
Meu sorriso se espalha pelo canto da boca.
E os meus olhos em brilho,
Anotam o endereço da tua malandragem.


Teu retorno é o meu presente.


O teu beijo...
A marca de tudo aquilo que ainda não foi confessado.


És assim. Jeito perfeito,


Que eu reverencio...!!!

Angela Lazzari

(Aos nove dias do mês de Março de 2019).

Exibições: 32

Comentar

Você precisa ser um membro de Casa da Poesia* para adicionar comentários!

Entrar em Casa da Poesia*

Editora Casa da Poesia

Chegou o

Volume 9 da Antologia 

Volume 8 da Antologia

 Volume 7 

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Aniversários

Aniversários de Hoje

Aniversários de Amanhã

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

© 2019   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo