O poema, que hoje abraço,
Tem aquele perfume que pairava no ar,
Quando perdida em meio à noite,
Havia urgência de sonhos, dentro do peito.

Em mim, os dias são tão longos,
E os sóis tão descascados,
Que em minhas mãos já não cabem todas as pedras,
Com as quais arranhava uma itinerante fantasia.

Ando a ermo,
Medindo a lonjura necessária,
Que dista entre a leveza da ternura,
E aquele breve encantamento, que perdeu a sua morada.

A pena (creio), não me serve mais.
A folha (branca) suplica por uma palavra.

E a alma...

A alma de prata vestiu-se,
E cambaleante alçou voo alheio,
À procura dum diminuto facho de luz,
Que (quiçá), seja merecedor de um piedoso olhar.

Angela Lazzari

(Aos treze dias do mês de Janeiro de 2019).

Exibições: 24

Comentar

Você precisa ser um membro de Casa da Poesia* para adicionar comentários!

Entrar em Casa da Poesia*

Editora Casa da Poesia

Chegou o

Volume 9 da Antologia 

Volume 8 da Antologia

 Volume 7 

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Aniversários

Aniversários de Hoje

Aniversários de Amanhã

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

© 2019   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo