BRAÇOS DOS OUTRORAS

Quando misteriosamente,
O joio se separava do trigo...

E enquanto
Na concha de minhas mãos vazias,
A noite em brancas trevas
Escorria rendilhadas gotas
Sobre a poesia
Que dormia nos braços dos outroras...

Marilândia

Exibições: 5

Comentar

Você precisa ser um membro de Casa da Poesia* para adicionar comentários!

Entrar em Casa da Poesia*

Editora Casa da Poesia

Chegou o

Volume 9 da Antologia 

Volume 8 da Antologia

 Volume 7 

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Aniversários

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

© 2019   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço