Todas as mensagens do blog (1,893)

Nosso Tempo

Tanto quanto foste

Em muitas e tantas vezes minha

Que nessa unicidade amanheço

No anteceder das horas tardias

Cúmplice desse Amor

Que de tanto

E por tanto o quanto foste

Quase nada pelo que te preciso

Que me multiplico no tanto que és

Para que não falte de…

Continuar

Adicionado por Verônica Noblat em 6 junho 2016 às 23:30 — Sem comentários

Vida

Deixe ás horas passar entre nós

Com tua fome e tua fama

Com tua perversidade (para quem teme)

Com tua perfeição (para quem ama)

Há contratempo no tempo bendito

Bendigo o poema aclamado

E as farpas tecidas entre linhas

Na força da vida erguida no dia a…

Continuar

Adicionado por Verônica Noblat em 2 junho 2016 às 18:30 — Sem comentários

On the Rocks

Engole aos goles a dor

Disfarçada de luar

Estrelas a rigor

Em festa a tristeza me tira pra dançar

Bolero de lágrimas órfãs de amor

A saudade encorpada servida no inverno pálido

Aninhado em meu peito

Como paixão inflamada

Seu cheiro insensato impregnado em tudo

Adulando tua lembrança ré de meus temores

Inocente dos danos presentes por tua ausência

Digerida num copo de água ardente

Opróbrio de minha demência dolosa …

Continuar

Adicionado por Verônica Noblat em 24 maio 2016 às 1:30 — Sem comentários

Deixa

Deixa-me morrer nesse apogeu de sentimentos

Me deleitar em tuas promessas sem pressa de cumpri-las

Com rimas e rosas brincando em prosas

Na nudez teu corpo

Deixa-me sonhar desconexos desejos

Onde o poeta se cala e fala na ponta dos dedos

Simbiose de fantasias expostas

Descerradas de tuas entranhas

Deixa-me ser poeta em você

Versejar teus apelos liquefeitos

Como estrelas decaídas

Desperdiçados de tua boca

Deixa-me renascer em…

Continuar

Adicionado por Verônica Noblat em 23 maio 2016 às 21:00 — Sem comentários

Necessidade

Necessidade

Choveu na seda que me encobre

Feito pele em pelo e o apelo do teu toque

Escorre entre o vale dos meus seios

Explode meus anseios no céu da tua boca

Choveu sem pressa

Leve, levando a tormenta

Molhando meu rosto com gosto de mar

Na força de homem a…

Continuar

Adicionado por Verônica Noblat em 19 maio 2016 às 19:30 — Sem comentários

Capela

Soou o sino

Abriu a capela

Rezou dentro dela

Pedindo perdão

Consumou o pecado

Amor profanado

A santa no ato

Atendeu-lhe a…

Continuar

Adicionado por Verônica Noblat em 18 maio 2016 às 12:30 — Sem comentários

Farta

Farta

Prenda minha boca no teu bico

Aguça minha língua nesse cume entumecido

Feitos gêmeos que se sabem lindos a provocar-me a gula

No sabor dessa fartura que me toma a sacia-los

Ocupo as mãos culpada por não cabe-los todos

Que entre lábios revezo todo teu desejo…

Continuar

Adicionado por Verônica Noblat em 5 maio 2016 às 11:30 — Sem comentários

Possuí-la

Sou pincel a escrevê-la nessa tela fértil

Em cores que descrevem meramente em letras

Na sinuosa linha que sustentam os versos

No toque esmerado em formas perfeitas

Rosa como a turmalina a corar-te a face

A roubar-te o sabor na textura em flor …

Continuar

Adicionado por Verônica Noblat em 5 maio 2016 às 2:30 — Sem comentários

Paralelas

Chuva que escala a estrada escurecida

Como o mar a levar as preces em pensamentos

Mergulhados no refúgio dos sentimentos errantes

Desembocando a paz a margem do sol que se rasga em luz

A esquentar a mais fria espera

Pelas vias dos paralelepípedos se dividem as águas

Nos paradigmas dos passos que mancharam

Sobre sua história morta e reconstruída

A desfazer as lembranças esvanecidas abaixo dos sonhos

Sem deixar de ser pedra

Rompida…

Continuar

Adicionado por Verônica Noblat em 4 maio 2016 às 22:30 — Sem comentários

Minhas Digitais

O telefone tocou seu sorriso cínico

Quando meus olhos adentravam su’alma

Que me cumprimentava a saudade vadia de dias

Em anos que não me percebia

E o presente perturbava o refúgio de minha memoria

Que não decifrava o abstrato de sua imagem

Que insistia em revelar o negativo de nossa história

Em fleshes opacos que me violavam

Expondo um homem que me denunciava

E aquele sorriso de véu e grinalda

Comprometendo-me na pagina que…

Continuar

Adicionado por Verônica Noblat em 15 abril 2016 às 23:30 — Sem comentários

Sem Sentido

São eternos os motivos sem sentidos

E vivemos por busca-los

Perdendo-nos por tenta-lo defini-los

Quando a vida se faz sem precisa-los

Poesia se faz no golpe de vista

Que a busca em seu sentido particular

Que atinge a alma em…

Continuar

Adicionado por Verônica Noblat em 12 abril 2016 às 19:30 — Sem comentários

Sutileza Divina

Acordei mulher num sonho de universos mistos

Cálice de rosas me abria à porta de casa

Entre tantas espécies que me refletiam

Na sutileza divina da lasca da veste que me definia

Desci do Salto sem deixar a elegância em teus braços

Que despetalava em amor nos adornos de gérbera …

Continuar

Adicionado por Verônica Noblat em 12 abril 2016 às 6:00 — Sem comentários

Divas

Noite passada chorei copiosamente por lembranças de uma Diva, uma Diva da minha vida particular, uma "ídola", uma mulher excepcional, da qual me orgulho de ter feito parte da sua vida, uma mulher admirável, chorei sua lembrança, chorei de saudade.

Paradoxalmente, tive um dia particularmente feliz, como poucos, daqueles em que você vive a emoção de ser, de novo, criança, entre uma visão inocente da vida em meio a magia dos contos de fada, um dia, até o seu final, perfeito!

Perfeito…

Continuar

Adicionado por Lu Barreiro em 30 setembro 2012 às 15:30 — Sem comentários

Arquivos mensais

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

1999

Editora Casa da Poesia

 Chegou

o Volume 7 da Antologia!

      À Venda Antologia

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Aniversários

Aniversários de Hoje

Aniversários de Amanhã

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo