O sino bate...
Desfaz meu silêncio. Pressinto o bronze vibrando. Energizando alquimias para o som que chama, que clama, ecoa, invade e avisa... Aos poucos o som se recolhe; é o silêncio do sino...
Assim como o silêncio que me fala, bate, invade. Em silêncio a minha alma vibra; meu corpo responde em alquimias vibrantes, energizadas...
Percebo; sou tato, visão, olfato, audição e paladar. Sou algo que em mim se faz. Não sou apenas silêncio. Sou argila, sou bronze, sou sino... Ecoo, invado os recintos, pressinto, soou...
Aos poucos me retiro...
Busco em silêncio...
Meu destino!
Lineu Mattos

Exibições: 7

Responder esta

Editora Casa da Poesia

Chegou o

Volume 9 da Antologia 

Volume 8 da Antologia

 Volume 7 

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

© 2019   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço