Viramos mais uma pagina da existência. O ano de 2017 está encadernado para a memoria dos que hão de nos suceder. 2017 estará na estante da memoria da família universal e de cada um de nós. Foram 365 dias para as coisas acontecerem. Tempos difíceis! Marcados! E aconteceram coisas! Como aconteceram! Tristezas. Alegrias. Contrariedades. Algumas partidas. Algumas chegadas. Antologias e Poesias. Há quem não tenha gostado do ano que passou. Há quem diga que foi um ano melhor dos que os anteriores. Opostos, acasos; é a natureza; coisas que dão vida... Assim são os tempos. Assim é a historia da humanidade. Um Cristo para cada cruz. Cada dia e cada um com os seus verbos. O fato é que tudo tem seu tempo. Não dá para fazer mais nada, o que passou, passou. Compreensões que cada um deve ter. Assim como tudo tem um início e que todos devem buscar de novo o novo. Mas acontece que todo novo fica velho e é para isso que a humanidade se renova a cada dia. A cada momento. A cada instante. Agora novas esperanças para o nosso novo ano novo. Mudar o absurdo: “Filas para a vacinação e mortes “por febre amarela”. E o que vem por ai, Copa do Mundo e novas eleições. Já que o cadastro reúne o melhor do povo; mas, entre todos, apesar de existirem excepcionais eleitores, há também, inclusive, os que acreditam “que a febre é do Macaco amarelo”. E assim a vida segue, em filas... Parafraseando então "Carlos Drumond de Andrade", digo: "E agora José! A festa acabou... A luz apagou... O Povo sumiu... E agora José!". Depois dos abraços. Depois das promessas. Assim começam os novos tempos. Tempos de rasgar e botar fora. De esvaziar gavetas. De fazer novas agendas. De realizar o que ficou arquivado. E 2.018? O que há ser? Abre-se aqui novas possibilidades para que se escrevam novas páginas. Novas Antologias. Páginas em branco. Novinhas a serem escritas. E o que é possível escrever nessas novas páginas. Quem pode dizer? Seria ousadia tentar escrever profetizando o ano? Serão novos Deuses? Novos governantes? Soluções à vista? Ainda que não se tenha muita ideia do caminho a ser percorrido melhor que se planejem os desejos a serem alcançados. Incentivar as palavras de coisas positivas e buscar de novo o novo para a vida de todos. Assim começam os nossos e novos dias, assim começam os meses e começam os anos. Sugiro então pensar como o Papa Francisco, que disse: “O sol produz o calor, que não é pra ele”!”. “A Lua produz o luar, que não é pra ela!”. “A flor produz o perfume, mas que não é só pra ela!”. E assim a natureza a cada dia nos ensina “que melhor do que ser servido é servir”. “Que a melhor felicidade é a que vem dos momentos de quando se faz o melhor para todos”. Então é bom pensar em novas maneiras de agir em 2018. Vamos dar o melhor. Fazer o melhor. Não ter lembranças que preocupem. Incentivar lembranças do quanto somos capazes e do quanto podemos ser felizes. E assim, uma vida melhor para todos os nossos irmãos brasileiros. Vamos mudar esse jogo? Vamos lá? Ano novo! Vida nova!
Feliz 2018!
Lineu Mattos
18/01/2018

Exibições: 18

Responder esta

Respostas a este tópico

Que assim seja, meu amigo! Vida nova que só será possível se mudarmos nossa postura diante da vida, diante do outro. Abraço, Lineu!!

Responder à discussão

RSS

Editora Casa da Poesia

 Chegou

o Volume 7 da Antologia!

      À Venda Antologia

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Aniversários

Não há aniversários hoje

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo