Temos o mau hábito de deixar coisas para depois. Depois eu visito fulano, depois eu vou a tal lugar. Depois eu leio esse livro. Depois...depois...

Por que será que temos a arrogância de pensar que temos todo o tempo do mundo ?

Perdemos a noção do que é importante. Nossos antecipados sabiam que era preciso arranjar comida para matar a fome ; proteger-se das intempéries ; proteger a família, o grupo. Mas a nossa “evolução” nos afastou desses conceitos. Pouco a pouco ampliamos o conhecimento sobre nós e o mundo que nos cerca. Os limites das nossas tribos alargaram-se ; passamos a buscar novos territórios ;  nos espalhamos por todo o Globo. E então, insatisfeitos,  voltamos  os  olhos  para  o céu – e chegamos ao espaço ...

E durante toda essa trajetória, fomos aos poucos esquecendo de ‘ser’ , ‘alimentar’ ,  ‘proteger’ ...  Nossos  verbos essenciais passaram a ser outros :  ‘ter’  ,  ‘comprar’  ,  ‘vencer’ ...

 

Aí, de repente, surge essa microscópica criatura e nos sacode pelas golas. Que ousadia !! Mas ele nos fez parar, nos trancou em casa, nos isolou. De repente, não somos mais tão donos da nossa vontade. E sentados em nossas casas, muitos de nós sozinhos, percebemos que havia muita coisa para ser feita e deixamos para depois...

Agora nos quedamos perplexos com a distância daqueles a quem amamos, com as devastadoras perdas de vidas, com a impotência perante um simples vírus.

 

Será que vamos aprender essa lição ? Será que vamos passar a viver plenamente as nossas vidas ? Será que teremos outras chances de visitar aqueles jardins tranquilos e cheio de belas flores, ou de visitar aqueles amigos queridos que estão no outro bairro, na outra cidade ? Será que vamos falar mais “eu te amo” para nossos pais, avós, irmãos, amigos ? Será que vamos prestar mais atenção aos nossos filhos ao invés de lhes dar celulares e máquinas para que se distraiam e não nos incomodem ? Será que vamos lembrar que o importante é ser, é viver o presente, cada abençoado momento que nos é dado ?

Fácil dizer que sim agora, enquanto estamos de mãos atadas. Vamos ver depois ...

                                                               Waulena d'Oliveira

Exibições: 22

Responder esta

Respostas a este tópico

Perfeito! Que Que cuidemos daqui pra frente para valorizar e cuidar mais dos que amamos! Este será um dos pontos bons da crise pandêmica!

Isso mesmo, querida! Ótima reflexão. Precisamos valorizar mais o nosso tempo. Beijos!

Responder à discussão

RSS

Editora Casa da Poesia

Chegou o

Volume 12 da Antologia 

Volume 9 da Antologia

Volume 8 da Antologia

 Volume 7 

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Aniversários

Não há aniversários hoje

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

© 2020   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço