Perguntam-me por poemas. Respondo que ando calada.

Às vezes parece-me surgir uma leve vontade, um pensamento, uma imagem. Mas não sobrevivem ao caminho até a página branca ...

De tempos em tempos parece que todas as palavras calam-se, constrangem-se, escondem-se. Não querem se expor ao mundo, não querem respostas ou duetos. Querem apenas silêncio.

Não quer dizer que não perceba coisas significativas acontecendo à minha volta. Não quer dizer que não me importe. Mas por que eu devo sempre falar ? Por que não posso apenas observar ?

Num mundo de tantos arautos, alardes, gritos feéricos, talvez a quietude seja a resposta correta...

Perguntam-me por poemas. Respondo que ando calada.

Deixo o vento refrescar minha alma. A flores pintarem minha aura. Talvez o mar seja boa companhia...

O chá exala seu aroma doce e uma pilha de livros olha-me com saudade.

É ... parece que vai esfriar ...

Recolhimento.

Depois ... ahhh ... depois as palavras decidem o que fazer ...

                                                                                      Waulena d'Oliveira

Exibições: 27

Responder esta

Respostas a este tópico

Nostálgico e belo!
Beijosssssssssssssssssssss

Responder à discussão

RSS

Editora Casa da Poesia

Chegou o Volume 8 da Antologia

 Volume 7 da Antologia!

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Aniversários

Aniversários de Amanhã

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo