É um cafajeste. Cuidado com ele!
Ele vai te chamar de “gatinha”, “linda”, de “princesa”, de “rainha” se por acaso ele te achar velha. Sabe por que?
Porque ele não sabe o teu nome. São muitos nomes.
E nem adianta perguntar! O cafajeste é o genérico do amor.
Só se elogia, pois, o cafajeste faz propaganda enganosa, porque apenas quer transar. Depois some.
O cafajeste faz “tele-entrega”, ele aparece de repente como se fosse uma visita, assim como de repente some.
O cafajeste é aquele que vai usar uma camisa bem passada, com vinco. Geralmente é sistemático, limpo, organizado.
Ele não pode se arriscar nas roupas, ele precisa passar uma ideia formal. De que não bagunçaria a vida de ninguém, pois não faz isso com a dele.

O cafajeste oferece o troféu que ele espera: tem uma nova prisioneira emocional para visitar à vontade na cela dos costumes e atender aos seus caprichos narcísicos e ególatras.

Todo cafajeste usa camisa bem passada.

Exibições: 39

Responder esta

Respostas a este tópico

Na falta do remédio de marca, serve um genérico no momento de crise de abstinência.

Incrível o seu texto!!! Para lá de nota mil!!! Beijos.

Adorei! Além da camisa bem passada tem cara de pau e olhar afetuoso e enganador.
Beijosssssssssss

Responder à discussão

RSS

Editora Casa da Poesia

 Chegou

o Volume 7 da Antologia!

      À Venda Antologia

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo