BORDADOS DE TIAS

Velhas tias bordam na sala. Tagarelam sobre pontos em cruz e outros tantos.
Algumas bem matronas, outras nem. Um tio lê a bíblia silenciosamente, ouvindo rádio num som individual. É único do sexo masculino no meio das velhas tias.
Os fantasmas saltitam felizes e vão dançando a volta dos móveis velhos, cheios de mantas de inverno.
O fogão à lenha crepita e o fogo se assusta. Reascende. Chamas de esperança visitam a sala. A mãe das tias pediu licença aos seus mentores e veio dar uma espiadinha nas filhas e está sorridente. Pisca discretamente para o seu companheiro que nem na eternidade se desgrudou dela e, abraçados, concordam que a suas meninas aprenderam algumas lições de vida.
Hoje são velhas tias que bordam tapetes, toalhas de banquete e inventam peças nos seus crochês sem fim.
Relembram entre um ponto e outro suas histórias, algumas próprias, outras dos filhos.
Contam que o córrego era tão limpo que nas suas meninices elas se banhavam nas tardes de verão no riacho que mais parecia uma fonte cristalina. Difícil é convencer os netos de que esta “vala fétida” um dia foi um leito de deleite nas tardes de verão. Os balanços nos cipós se misturam na lembrança às cores dos bordados.
Agora elas trocam receitas: Biscoitos de manteiga, bolos de nata, cucas de uva e requeijão.
Mudam de assunto. Catapora dos filhos, coqueluche do menino da mais velha que quase se finou de tanto tossir, coitado. Hoje está um marmanjo de quase dois metros de descendência germânica.
Voltam ao ponto em cruz e resolvem tomar um chazinho de intervalo. Que venha à mesa, a cuca fresquinha, o pão de fubá e a saudade do café da tarde com o pai e a mãe delas. Algumas engolem lágrimas, outras disfarçam melhor.
Mas o mundo é delas. Prosaico universo da sala que já mudou de cores nas paredes, cortinas nas janelas, mas continua a abrigar, agora, a terceira geração.
Vão tecendo nos panos e nas linhas frases sem nexo. Isto para os olhares comuns, para elas são contos de vida. Histórias de amor. Cochichos dos sonhos. Cochilos do cotidiano.
Velhas tias bordam na sala. Alguns netos aprendem a faina de graça e pirraça. Estragam linhas e panos como aprendizes curiosos.
As tias sorriem na doce ilusão de perpetuar os encontros na sala.
Velhas tias bordam....

by MLK março 2018
EM homenagem a ela ...Aniversário da mãe dia 25

Exibições: 38

Responder esta

Editora Casa da Poesia

Chegou o Volume 8 da Antologia

 Volume 7 da Antologia!

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Aniversários

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo