COLUNA DA MARIA LUIZA 128 – COM LICENÇA! Tenho pressa em ser feliz

A escrita me fascina desde sempre. Acho que a trouxe plantada em algum ”gen” secular. Tenho escrito muito nestes dias. Exercitado meus sentimentos. Aqueles de muito desconforto. De raiva. De amor. De saudade. De acreditar e de não acreditar em dias melhores. De tudo um pouco.
Neste imenso caleidoscópio sem cores em que fomos atirados, em bem menos de seis meses, parece que nos deixou a todos meio tontos e duvidando da própria vida.
Esta efêmera passagem que fazemos no planeta desde a data em que nascemos até a data em que vamos embora daqui, ou retornamos como queiramos crer.
Quero uma trégua. Um oásis no cotidiano
Tomo café com mais vagar e me permito sentir o aroma que ele deixa no ar por apenas alguns segundos.
Sento-me ao sol da janela e descasco uma laranja, apreciando nela o sumo da vida. A imensa generosidade da fruta. Boas lembranças passeiam na minha memória. Tardes de luz, em fartos pomares na minha infância. Cascas ao chão, gargalhadas de irmãos.
Corto uma fatia do mamão e vejo nela uma estrela cheia de estrelinhas. Não lhe basta me apresentar uma figura de estrela ainda me mostra o quanto de sementes multiplica para que mais e mais plantas possam nascer. Basta que alguém faça a elas, as sementes, um bercinho na terra. Outra generosidade sem par.
Recebo o livro do meu amigo escritor. Recém escrito e ainda em pdf. Compartilha, confiando a mim o seu tesouro. Confiança é a palavra. Começo a ler. Percebo o quanto de entrega existe no trabalho do escritor criando personagens, pesquisando, escrevendo. Gestando um filho chamado livro que levará seu sobrenome. Como um filho de barriga, daqui a pouco ele ganha o mundo e sabe-se lá onde vai morar!
É quarentena. Numa rápida e necessária saída, o meu amado passa na floricultura. Sabe das flores que eu gosto. As recebo num gesto de amor. A casa fica um tanto mais alegre e eu também.
Prosaicas coisas me fazem sentir um ser privilegiado. Nem por isso esqueço das dores do mundo. As que mais doem em mim todos os dias: a desigualdade social e a fome.
Mas enfim, hoje um oásis. Apenas um descanso!
Tenho pressa em ser feliz!

By MLK – 08/05/2020

Exibições: 23

Responder esta

Respostas a este tópico

Buscar o nosso oásis no meio do deserto, nosso grande desafio. Muito bom ler você. Beijos!

Responder à discussão

RSS

Editora Casa da Poesia

Chegou o

Volume 12 da Antologia 

Volume 9 da Antologia

Volume 8 da Antologia

 Volume 7 

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

ALB/SP

</

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

© 2020   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço