O Barroco português desenvolveu-se entre 1580 e 1756, época em que Portugal estava em profunda crise econômica e social, devido ao domínio da monarquia espanhola.

Padre Antônio Vieira

O melhor da produção barroca portuguesa encontra-se na obra do padre Antônio Vieira – político e pregador de inteligência e sensibilidade acuradas, que sintetizou como poucos os conflitos do homem barroco.

Vieira foi chamado por Fernando Pessoa de “Imperador da Língua Portuguesa”, Vieira explora em seus sermões o melhor da retórica de sua época. Orador hábil e virtuoso, é também claro, engenhoso, imaginativo e convincente. Os sermões constituem o principal da obra de Vieira. Eles trazem a essência do estilo barroco: a tentativa de promover uma síntese entre matéria e espírito. Nos sermões, Vieira busca cativar o ouvinte despertando sua consciência e convidando-o a pensar e agir.

Divisão:

A estética barroca apresenta duas tendências: o cultismo (também chamado gongorismo) e o conceptismo (ou quevedismo).

Cultismo: caracteriza-se pelo uso de uma linguagem rebuscada, culta, extravagante e descritiva.

Tem como visível influência a produção do poeta espanhol Luís de Góngora y Argote.

Conceptismo: caracteriza-se pelo jogo de ideias e de conceitos, seguindo um raciocínio lógico, racionalista. Entre seus principais difusores está o poeta espanhol Francisco de Quevedo.

DOS CONTRASTES

Os contrastes típicos do período Barroco revelam a tentativa de fundir a perspectiva antropocêntrica (herdada do Renascimento) ao teocentrismo medieval (recuperado pela Contra-Reforma).

ISSO CAI NO VESTIBULAR?

Em língua portuguesa, o Barroco produziu manifestações em vários gêneros e formas – uma variedade praticada não apenas como entretenimento intelectual, mas como forma de ação e debate.

A arquitetura do texto e o jogo de construções, correlações, paralelismo e simetrias que remetem não apenas ao plano estético, mas também ao contexto histórico-social constroem um amplo painel daquilo que pode ser explorado em questões sobre o Barroco em Portugal. Cai no vestibular, sim.

ARTE BARROCA:

Capela da Universidade de Coimbra- folhas de ouro e azulejos de época

A PROPÓSITO: AZULEJO VEM DE AZUL?

(então teríamos vermelejo, amarelejo, verdelejo?)

Não! Azulejo se origina do árabe al-zuleig , que quer dizer pedra polida.

Exibições: 13

Responder esta

Respostas a este tópico

Mais um nível TOP!

Obrigada, querido Renato!
Esse assunto me fascina!
Um abraço,

Responder à discussão

RSS

Editora Casa da Poesia

Chegou o Volume 8 da Antologia

 Volume 7 da Antologia!

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

ALB/SP

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Aniversários

Não há aniversários hoje

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo