ÚNICO AMOR

Somente quando completara a maioridade lhe foi permitido conhecê-lo.
Sonhara durante muito tempo com sua sabedoria milenar, com sua cor, com seus carinhos.
Lembra que viajou durante várias horas para encontrar-se com ele ao amanhecer.
Não conseguira pregar o olho durante a noite, imaginando como seria vê-lo de perto, senti-lo no corpo, cheirar-lhe os sabores que imaginava, e dos quais não tinha registros olfativos.
Assim o que o viu, os olhos de seu coração e o êxtase de sua alma foram subindo aos céus, transportados por mãos de anjos ou fadas que estavam de plantão.
Sabia que desde há muito o conhecia.
Aquela imensidão de esplendor, um presente somente para ela!
Impossível descrever com palavras o que estava sentindo. Por isso, ficou a contemplá-lo por muito e muito tempo, permitindo-se saborear sozinha aquela imensidão. Era como se estivesse a apalpar-lhe a pele poro a poro.
Ele era majestoso e quanto mais ele se dava, mais e mais ele tinha para dar. Sequer sentia ciúme de quem estava a partilhar com ela.
Isso lhe intrigava: o quanto ele era incansável na sua generosidade. Seus tapetes de espuma, sua mutação de cor quando a lua vinha lhe visitar, a cor das profundezas que trazia no toque, a massagem que fazia em seu corpo e o gosto que lhe punha na boca.
No primeiro contato físico, jurou-lhe amor eterno. Cochichou com suas ondas e com ele fez um pacto secreto. Afinal, ele era seu!
A partir de então, passados os anos, sua história a levou para muitos e diversos lugares, lhe fez conhecer outros amores, deixou rugas no corpo e na alma, mas sua fidelidade a ele é incontestável. Ela continua a amá-lo, apesar de achar, por vezes, que ele anda um pouco maltratado.
O amor ficou mais maduro, mas no fundo do peito ela continua carregando a sua grande paixão. Por isso, toda vez que não o visita por algum tempo começa a ficar inquieta, sonhadora, e meio rabugenta.
Urge trocar confidências com ele. Contar seu cotidiano e chorar um pouco diante de sua magnitude. Sente saudades!
Hoje, não foi diferente: Acordou cedo, caminhou até ele, saudou-o respeitosamente, com toda a força de seus sentimentos. O sol começava a nascer no horizonte.
Ficou a imaginar que, em sua homenagem, ele pedira ao astro rei que aguardasse a sua chegada, retardando um pouco o alvorecer.
Depois, se entregou às ondas, abraçou-o docemente e fez amor com o seu mar.
O sentimento de plenitude e essência cansou seu corpo. Seus olhos subiram aos céus em reverência e sua face recebeu uma mistura de sal do amor e das próprias lágrimas.
By MLK

Exibições: 86

Responder esta

Respostas a este tópico

Que belo!! Parabéns, querida! E viva o amor! Sempre é a melhor opção. Beijo!

Magnífico! Tão bem dosado! Na medida certa! Eu ia lendo e imaginando:"também tive um amor assim e ele cochila dentro de mim, desde a juventude".Como está em linguagem poética, ondas, espumas e outros citados eram metáforas.Fui até o final acreditando em um amor de homem e mulher.ADOREI!!!!!!!
Beijinhosssssssssssssssss

Maria Luíza, que texto maravilhoso!! Deleitei-me na leitura!!! ADOREI!!! Beijos.

Magnífico, Maria Luíza !
Todos os encantos do amor no mar ... Imensidão de sentimento, infinito sentimento ...
Amei !

Bjsss Wau

Responder à discussão

RSS

Editora Casa da Poesia

Chegou o Volume 8 da Antologia

 Volume 7 da Antologia!

                VOLUME 6 

    

PARCEIROS

ALB/SP

Nas Redes Sociais

                          CLIQUE AQUI

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo